Seguidores

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Zumbis da politica

Alguém consegue desdefinir esquerda e direita nestes dias de ausência de solidariedade
humana ?
Mortos vivem na internet sem reagir nas ruas.


 Joka

João Carlos Faria

sábado, 11 de novembro de 2017

Vamos mudar?

 

 

Dedicado a Tico Santa Cruz
* Texto mais antigo.


Os séculos passam as noites passam e nós nunca passarinhos? Hoje estou aqui, após uma semana sem conseguir escrever uma vírgula sequer. Nos deixamos perder na infeliz correria desta era vazia de internet e TV a cabo. Nestes tempos modernos, finalmente cheguei a TV a cabo numa das infinitas promoções que nos enrolam. E tchbum descobri um mundo sem criticidade, onde só se mostra um lado bem leve da vida. Ontem numa roda de amigos, num apartamento da Vila Ema, aprendi mais de nossa realidade do que numa semana de internet. Depois acabei parando num destes bares, onde somos todos bem vazios. Por mim ficava lá toda noite ou até parava nos Freitas. Já estava ganha a noite. Não perco meu tempo nas madrugadas, querendo mulher nenhuma, pois numa madrugada e nos bares só se acham mulheres vazias. Quero mulheres que estão nos ônibus e metrôs, que pela manhã saem para ganhar o pão. Estas sim me interessam. Sempre vi a falsidade na noite. É um ambiente bem artificial. Nunca fui boêmio, prefiro um bom show, uma peça de teatro a andar em buscas de luxúrias que nunca alcançarei. Já as tenho e muito em minha mente, busco libertar-me delas. A sociedade está cada vez mais artificial. Antes íamos ao centro da cidade de dia, para se encontrar pessoas bem críticas. Hoje não se acha ninguém. Contento-me numa banca de revista no meu bairro, onde ao lado de jornais que nada de valor contem, nos deliciamos analisando o mundo.
Devemos dar um basta nisto e marcarmos encontros, falar com as pessoas em troca pura e simplesmente de saber. Quando ouço a fundo sobre política, só se fala das jogadas, das trocas de votos, já não vejo mais falarem de sonhos e ideias que possam melhorar a vida de todos nos, por isto me aborreço com a política. Já não carrego nenhuma bandeira. Estas bandeiras ideológicas de nada servem. Precisamos, se ainda houver tempo, refundar a sociedade. Tanta tecnologia e possibilidades e deixamos a internet e a TV a cabo vazia. Não consigo achar pessoas para algum projeto que tenha alma. Nossas crianças estudam em escolas competitivas onde o importante é tirar dez em Matemática e daí, aprendem o que? Sempre estudei em escola pública nos anos oitenta e uma parte dos noventa. Os professores nos falavam fora do horário de aula, da vida, da politica e daí ingressei num PT de utopia. Fui militante porque acreditava, quando já não acreditei, sai. Temos que fazer as coisas por amor e não só recompensas. Façamos por amor e o que precisarmos da vida material virá por acréscimo. Nesta noite no apartamento ouvi projetos e vi os olhos brilharem. Ouvi pessoas que tentam viver e não sobreviver. Chega de tentarmos sobreviver, precisamos aprender a viver. Só temos o agora para alcançar a felicidade, tanto a individual quanto a coletiva. Ando a pé pela cidade e ainda vejo pássaros ao lado de Rios mortos, talvez ainda resta um pouco de vida lá. O parque de minha cidade é belo, mais belo hoje que ontem, cheio de animais livres e soltos, enquanto se mantém um casal de passarinhos presos, numa gaiola de minha casa. E as secretarias de meio ambiente nada fazem, as secretarias de educação nada fazem, talvez porque eu e você sempre estamos de braços cruzados. Não sabemos nos articular. Preferimos esperar de alguém que faça. Este alguém não existe, este alguém sou eu e você. Se o prefeito de nossa cidade é incompetente, cabe a nós o tirarmos e encontrar alguém competente ou sejamos nós o candidato a Prefeito. Se nosso governador não governa ou não sabe governar sejamos nós o Governo ou o Presidente da República. Os partidos estão ai sem moral e sem liberdade porque nós cruzamos os braços. Se o Rio está morto é porque nos o matamos. Tá na hora de nos reerguermos e limparmos nossa mente, nosso corpo e buscar a sabedoria que está dentro de nós. E irmos à luta. Não importa se morreremos amanhã ou hoje, que seja feita a nossa vontade agora. Que nosso ser se manifeste e não nosso ego.
Sejamos mulheres e homens de verdade e o mundo pelo menos a nossa volta, será outro. Temos força para sairmos de dentro de nosso abismo e recriar a vida em plenitude. Nós somos os filósofos, os políticos, artistas, operários, somente a nós e em nossas mãos está a mudança.
Se eu ou você nada fizermos, as coisa sempre serão iguais. Em minha cidade jovens se encontram e as vezes acontecem brigas e a policia intervem, por que? Se governos não dão lazer, não geram empregos a estes jovens. O Estado manda sua policia descer a borracha, em vez de mandar educadores e agentes culturais. Que sociedade tola, estes jovens gritam por ajuda. E nós bem famílias deixamos nossa policia os repreender. Quiçá saiam lideres destes jovens para buscar o que a eles pertencem. E quiça da medíocre sociedade sai alguma orientação de lhes oferecer as mãos em vez de cassetetes. Ó minha, sua São José dos Campos, cidade de muito dinheiro e muita corrupção. Que hora teremos vergonha em nossa cara e a mudaremos?
Os séculos passam as noites passam e nós nunca passarinhos?

João Carlos Faria

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

Se a poesia veio que seja em celular , papel de pão e o que mais tiver a mão !
Depois vem a revisão.

Beatriz Galvão

No Sarau Maldito, num ato tardio de aceitação aos apelos de Dailor Varela (extensivo aos insistentes teus, Faria Joka) vou dar vazão a alguns dos poemas meus.
Obrigada!
#SarauMaldito2017
Dias de prosa !
Dedicado a Beatriz Galvão
Tenho nostalgia do poema que ainda não escrevi.
 Do poema que transforme em carne nosso coração de pedra.




Apocalipse virtual

Boa noite !
 Que Fernando Pessoa nos guie no caminho além do bem e do mal !
 Adentrarmos no sono e aí Mano Raul Seixas somos borboleta ou sábio chinês ..?
 Somos mercado , mercadoria ou cidadãos !
 Somos nação ou vaquinha de presépio ?
 Revolução ? Se nem sabemos de onde viemos ?
 Entre deus e o diabo !
 O que nos liberta ?

Joka
 João Carlos Faria


Dias de Apocalipse

Ao artista plástico Davi Fernandes Faria, Hoje num ônibus alguém lia um livro e não era a Bíblia e sim Vinícius de Moraes !
 Quais foram os poetas que escreveram a Bíblia ?
 Sagrados são os poetas eles entendem a língua de Deus !

Joka
João Carlos Faria



quinta-feira, 26 de outubro de 2017


Estou livre das mentiras dos telejornais da TV a cabo ! ?


Dias de cansaço fisico ! Mudanças de habito ! Mas sem poesia , sem arte não dá . O portal Entrementes de Elizabeth Souza me surpreende positivamente com a republicação de textos
publicados desde o inicio do site. Ando meio fora da linha ou entrando numa linha tenue entre
o ócio e o trabalho. Dias de cansaço e prazer . Dormir cedo acordar nas madrugadas e desbravar
o universo da educação.
Uma sinusite sendo tratada e a minha releitura fora de meu contexto. Meu blog a um tempo sem postagem.
Cade minha inexistente poesia ? Vida , cotidiana e cheia de prazeres , cade o revolucionário que
me habitava ? Ainda existe ?
Mas palavras nos surpreendem assim como o inexistente cotidiano das escolas , só o horário é o mesmo. Hoje um toró inundou a manhã da cidade. E eu já estava pronto para uma jornada. Eu militante de causas impossiveis adentro a vida de pacato cidadão.
Cavernas , personagens na vida , mudar a si mesmo já é uma enorme revolução !
O que seria de mim sem a reflexão ? Sem poesia que circula nossas vidas , cotidiano algo raro
em minha vida . Sem meditação ? Não viveria mais sem meditação.
Estou livre das mentiras dos telejornais da TV a cabo ! ?
Nem sei a quantas anda a economia , um amigo em seu ócio pesquisa sobre o fim do mundo, preocupo – me com o agora.
Uma colega recoloca as velhas brincadeiras de roda no centro para crianças que vivem em apartamentos , casas sem conhecer a vida das ruas e o livre brincar sem a opressão do adulto.
Liberdade , cheiro de terra na infancia eu andava por ai . Via o Corrego Cambui , brincava
de esconde esconde , em frente a rodoviaria nova. E estas geraçoes . Cercadas pelas teorias
educacionais . Gosto de Max Weber mas os filosofos educacionais não fazem minha cabeça.
Sou mais Friedrich Nietzsche , Gabriel Garcia Marquez que segundo um amigo falou de um bruxo de Sierra Maestra em uma de suas obras ! Já li vários livros de Gabo.
Filosofos , poetas cade o tempo para eles enquanto estamos cercados de celulares inteligentes , mas
que nos mantém burros. Fernando Pessoa se faz presente no meu celular através de um aplicativo de
leitura de livros.
Não sabemos o caminho da felicidade , sabedoria é algo raro em nossas
vidas nesta vida em que o tempo é o bem mais precioso. Liberdade , ocio e trabalho precisamos
resolver esta equação !
O capitalismo nos faz consumidores , quando teremos a real noção de cidadania ? Quando aprenderemos a arte da politica para o bem comum ?
Quiça como alguém me falou o apocalipse está dentro de nós. E fora é tempo de achar a
felicidade no cotidiano.
A TV repete um milhão de vezes o ódio e a falta de amor , precisamos de coração de verdade
a sabedoria esta em minha em sua alma.
Falei do significado de alguns nomes das crianças , numa roda de conversa.
Vida , breve … quando publicarei um novo livro ?
Ouço Belchior de forma acidental .. Enquanto encerro este texto sem nenhuma pretensão além
de viver o momento … Amanhã é Sexta – Feira … 27 de Outobrro de 2017 ..
Recordo do velho Saw ! Que nos desbravou a mistica vindo de uma Serra da Colombia , atravessou a América pelas matas …
Te saudo o Mestre neste 27 de Outubro ..
Vida , breve .. vida livre .. Em busca da essencia humana , sabedoria.

Joka

João Carlos Faria
Raro é o tempo para o ócio ! O tempo é a vida ! Sem ócio mera inexistência ! O dinheiro não liberta. O ócio abre portas e saídas do labirinto.

terça-feira, 19 de setembro de 2017



A caneta rasga o céu de nossa imaginação ..


Minha alma ao menos esta noite foi salva da monotomia da TV o poeta Diego El KHOURI PUBLICOU um poema de Ikaro Max “ PEDAGOGIA DAS FOGUEIRAS “ Ai cheguei ao KINDLE de meu celular onde Fernando Pessoa espalha sua vida em nosso viver .. Entre tantos poemas de Pessoa “ Cruzou por mim, veio ter comigo , numa rua da Baixa “ .. Não consigo na noite ler manuais de concurso .. Não tenho nada contra Vygostsky , Piaget , Wallon .. Embora ache que mesmo depois de alguns anos entendo pouco destes pensadores da educação .. Paulo Freire é diicil de ler mas é prazeroso. Gosto de ler Edu Planchez , Nydia Bonetty e tudo o mais que caie na rede .. Filosofos em geral … Estou com uma sede por um romance bem escrito .. E estes concursos a nos tirar a alegria da vida … E o prazer da leitura sem nenhum compromisso. A sala de aula é algo tão prazeroso que me dá prazer levantar as cinco da matina … Quem sabe um dia tenha paciencia para cadernetas , relatórios , corrigir e elaborar provas mas gosto da ousadia de um documentaŕio que questiona a educação a A EDUCAÇÃO PROIBIDIDA disponivel na NET FLIX .. Pensar e agir .. Deveriamos ser mais ousados e me faço poeta … A vida é guerra e arte … E um poema nos ganha o dia .. Tem hora que me pergunto o que faço neste mundo .. Sem metafisica, deixaria um onibus me atropelar .. Redes Sociais espalham poesias … Este fim de semana foi ‘ GLORIOSO “ estavamos numa Festa Literaria ..
Ler , refletir o mundo e escrever ...Quero comprar um KINDLE para salvar minhas noites pós meditação da Globo Nwes .. Já me basta o UOL prefiro descubrir a poesia no Face e no Entrementes.
Sei que não me transformo. Se não me transformar o mundo sempre será mundo. Eu deveria criar um romance experimental .. Recriar minha vida em diversos personagens tem um filme assim sobre a vida de Bob Dylan nem ouço tanto Bob , sou mais Caetano Veloso , Raul Seixas e nossa velha MPB sem esquecer as novidades como MUSA HIBRIDA .. Quero fazer um curso de letras não para revolucionar a educação , mas passar o prazer da leitura e escrita aos alunos.
Poemas eu faço nascer poucos e raros e nem tão bãos assim. Livro não lanço não sei fazer a SELEÇÃO DOS TEXTOS … Vi tanta coisa bela impressa na festa literaria .. Tanta ousadia , preciso achar um diagramador para criar algo simples como uma revista da Turma da Monica para custar pouco. Quero publicar na AMAZON … Tantos planos e pouca ação. A caneta rasga o céu de nossa imaginação .. Tinha um poema assim de uma garota no cd cidade das palavras ..
Este egoismo de mercado que não nos deixa juntar para fazer. A palavra “ PROJETO “ e “ GRANA “ precisa ser excluida dos meios artisticos. Um poema republicado por Diego El Khouri causou um abalo cismico em minha zona de conforto .. E este escrito nasceu.
Confiram o poema de IKARO MAX …

Joka

João Carlos Faria




PEDAGOGIA DAS FOGUEIRAS
Por: Ikaro Max
outrora as próprias ervas de cheiro, tempeiros, incensos de uso mágico eram vistos como ameaça diante dos dogmas da Santíssima Trindade: pois devolvia aos sentidos a primazia deste mundo & não a arquitetada cegueira de um mundo inventado fora deste.
E as "bruxas" foram perseguidas & queimadas para se arrependerem da profana devoção ao sensível...
Para quê, pois, deixar a estes inquisidores o monopólio das fogueiras & das Noites de São Bartolomeu?
Imensas piras em que obras inteiras, bibliotecas inteiras, Alexandrias inteiras, que datam de Nero a Hitler.
Os catálogos de iguarias
As revistas de sport
Ou de moda
As publicações evangélicas:
& se elas fossem, igualmente,
queimadas?
Não se vê Espírito escrever:
estamos atolados entre corpos & arbítrios
entre privilégios de quem, enquanto casta, legalizou a abominação & o assassinato.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Apocalipse

A besta esta ai , livre e solta a trazer dor !



Eu que coleciono as imagens de espelhos de minhas memorias
sentidas de minhas quase 108 existências !
Quase 108 inexistências, acecessalas é um desafio.
Eu sim Eus em suas malévolas pluralidade nunca a essência.
Demônio a arrastar corpos e mais corpos masculinos e femininos em eras grilhões de medo e dor.


As vezes em jangadas perdidas no Oceano da Lemúria ..
Hoje conto historias infantis em salas de leitura .. Cinderela , Branca de Neve
eu sempre Lobo e Ovelha ..
Sedento de sangue e orgias … Em seculos e seculos perdidos …
No êxtase do pecado e da luxuria.


Eu hoje neste Vale do Paraíba entre a Mantiqueira e o Oceano Atlântico ..
Que futuro nos reserva nestes sombrios dias , onde se anuncia a soltura
da besta que agora tem nome ?!


Fim de tempos , oceano de vidas e vidas e nunca alcanço a liberação
de minha essência ..


Canções , canções , canções ..


Vaidade e dor .. nestes dias de fim …
Só no resta cair de joelhos e orar , meditar .. Suplicar ao Pais que esta em nosso
interior e o Amor da Mãe que vive em segredo.


Eu sacerdote de civilizações perdidas hoje no lodo …
Buscando a essência , querendo luz e descendo aos abismos sombrios
de minhas 108 inexistências …


Alma , fragmentada , cansada … Bebo a taça e o saber de
Samael Aun Weor ..


Que nos alivia da desesperanças , tempos sombrios ..


Tempos de desamor , silenciemos acessemos o
coração é tempo de orar , meditar e conquistar o amor.




Joka


João Carlos Faria






domingo, 10 de setembro de 2017

Catedral de ventos ..

Eis os mortos de tempos inexatos , calor de inverno ..
Antecipa - se a primavera ...
Desesperança ...
Uiva - se
Silencio, Atlântico ..
Floresta de concreto , lobos ..
Eis a festa .. sob a luz da noite ..
Mergulhemos na escuridão .. abismos
diante da estrela que deve nascer dentro
de nosso abismo.
Morte , inexata .. canção de um fim.
Porque não existir ?

Joka

João Carlos Faria